16 de fevereiro de 2005

0006/1001

As árvores que se unem, literalmente, no Parque Manuel da Nóbrega

2 comentários:

Anónimo disse...

sempre admirei esse erótico acto de jardinagem, essa cópula triangular, essa penetração assistida entre dois ramos e um senhor de jardineiras e tesoura de poda em cima de uma escada. Nas saudosas noites do parque das queima das fitas, olhando para cima e de espírito enaltecido pela cerveja, vinha-me à memória um desejo futuro de estar entre dois ramos, isto é duas belas mulheres, e eu, de jardineira, podando-as e regando-as.

Garcia Lorca disse...

lembram-me alguns quadros do Salvador Dali, por exemplo "jovem autopenetrada pela sua castidade"